Blog: 4 meses depois

Novembro 29, 2008

O semestre está chegando ao fim e, junto com ele, a obrigatoriedade de escrever aqui no blog.

Tudo isto aqui começou em agosto como uma tarefa para a matéria de Novas Tecnologias da Comunicação na faculdade, onde cada aluno deveria escolher um tema relacionado à comunicação para escrever um post toda semana além de um post relacionado com a matéria proposto pelo professor.

Acho que fui muito feliz escolhendo como tema “Comunicação Política” ainda mais neste segundo semestre de 2008 onde acontecerão as eleições para prefeito por todo o Brasil e a eleição para presidente nos Estados Unidos tendo a vitória histórica de Obama.

O blog contribuiu muito para que eu pudesse ter uma visão mais crítica do mundo, principalmente por eu ter que me manter atualizada sobre o que estava acontecendo na política para poder escrever aqui, informando e alertando os leitores.

Outro ponto positivo que o blog trouxe para a minha vida foi que eu pude conhecer e entender melhor como funcionam estas novas ferramentas tecnológicas sobre as quais eu falei no blog durante estes quatro meses e que vão se tornar cada vez mais essenciais no ramo da publicidade, minha área de interesse profissional.

Talvez o único ponto negativo disto tudo tenha sido a falta de tempo para postar em algumas semanas, o que me fazia escrever aqui sem a dedicação que eu gostaria, apenas para cumprir com a obrigação de escrever dois posts por semana.

Enfim, ter um blog foi uma experiência enriquecedora que eu espero continuar vivenciando, mesmo sem ter mais esta obrigação.

Espero voltar aqui para postar sobre qualquer assunto que eu ache interessante compartilhar com vocês também.

Também espero que isto não seja uma despedida, apenas um “até logo!”

Partido de Internet

Novembro 29, 2008

Lendo o blog do Marcelo Tas ontem vi um post com um conteúdo muito curioso e resolvi procurar mais a respeito do assunto para poder postar aqui.

O post fala sobre o “Partido de Internet”, uma idéia dos espanhóis que eu considero bastante ousada. Trata-se de um projeto para o surgimento de um partido que tomaria decisões através dos cliques dos eleitores na internet. Este partido começaria suas ações em 2012, ano em que haverá eleições gerais na Espanha.

A idéia tem como objetivo principal fortalecer a democracia que passa por uma crise atualmente. Se este projeto realmente se concretizar, os eleitores poderão votar e opinar nas propostas sugeridas pelo partido permitindo que o eleitor não só escolha quem deve representá-lo, mas também, de uma certa forma, permitindo que ele próprio governe junto com o partido ajudando na tomada de importantes decisões. O partido seria tão democrático que permitiria que o eleitor participasse de todas a votações, de apenas algumas ou de nenhuma e ainda daria a liberdade para o eleitor votar em branco ou anular o voto, tudo dependendo apenas da vontade do internauta.

A concretização deste projeto seria algo totalmente revolucionário, só não saberia dizer ainda se o projeto seria bem sucedido ou não, acho que só existindo o partindo para a gente conseguir avaliar. Mesmo assim, acho a idéia em si muito boa já que ela propõe fazer com que os eleitores acompanhem os candidatos eleitos e tudo o que acontece na política, o que poderia minimizar a corrupção.

Meu desejo sincero é que este “Partido de Internet” seja um projeto bem sucedido que consiga servir de exemplo para o mundo inteiro.

O Marketing Político

Novembro 22, 2008

Navegando pelo site do jornal Estadão, me deparei com a notícia “Para analistas, candidatos não são produtos em prateleiras” e achei que seria interessante comentar sobre ela aqui.

A reportagem traz declarações de especialistas e profissionais na área de marketing que acham que o marketing político não tem o poder de construir um candidato, mas que tem a função de moldá-lo, sem tirar e nem por nada neles.

O profissional da área de marketing político tem o dever de ir lapidando o candidato para conseguir melhorá-lo, ou seja, ele vai fazer os “retoques” necessários para que possa destacar o melhor e ocultar o pior da trajetória do candidato. Podemos dizer assim que o marketing não constrói um candidato, mas a sua imagem.

Sendo este o processo, podemos concluir que um candidato desconhecido facilita o trabalho dos marqueteiros e consegue obter uma certa vantagem em suas campanhas já que os eleitores não conhecem direito a sua trajetória, contribuindo para que esta seja mais facilmente manipulada e retocada, resultando em uma boa imagem para o candidato. Quando o candidato é mais conhecido, fica mais difícil de esconder dos eleitores os aspectos ruins da trajetória dele, já que estes, geralmente, são muito divulgados por revistas e jornais. Porém, com um bom trabalho de marketing e contando, infelizmente, com a fraca memória dos brasileiros, até o candidato mais conhecido tem chance de construir uma boa imagem para os eleitores.

Não sei se acredito muito nesta definição de que o marketing não constrói um candidato como se ele fosse um produto qualquer. Acho que exatamente neste processo de destacar o melhor e esconder o pior do candidato já há uma construção evidente de uma pessoa que não é real. Qualquer pessoa é feita de qualidades e defeitos, não existe alguém que só tenha qualidades. Com certeza não é uma construção que parte do zero, pois, como foi dito na reportagem, os pontos positivos da trajetória do candidato destacados nas propagandas realmente pertencem a ele, mas, talvez, não nas proporções em que são divulgados.

Acredito que estamos votando em personagens e que estamos sendo governados por pessoas reais que, em sua maioria, possuem mais defeitos do que qualidades.

Blogs de Comunicação

Novembro 22, 2008

Desde agosto que atualizo este blog falando sobre comunicação, mais especificamente na área política, tentando mostrar as novidades e meus comentários críticos sobre elas. Neste post de hoje, resolvi selecionar alguns blogs de comunicação que são bastante influentes e conhecidos na área de comunicação e que eu, particularmente, acho muito interessantes.

Acho que um blog bastante conhecido pelos admiradores, estudantes e profissionais da área de publicidade é o Brainstorm#9. Nele você encontra as novidades de campanhas publicitárias de diversas empresas de vários países, além de ações inovadoras nas ruas e na internet, tudo para chamar a atenção e facilitar a divulgação de algum produto ou serviço. As explicações das campanhas e ações sempre são acompanhadas de fotos, vídeos ou links que permitem o acesso a outros sites para que o internauta possa ter uma real idéia das inovações que surgem a cada dia no campo da publicidade. Acho que Brainstorm#9 é um blog muito interessante, que agrada muito aos curiosos pela área mas que também traz inspiração para estudantes e profissionais de publicidade.

http://www.brainstorm9.com.br/

Outro blog, talvez menos conhecido, mas não menos interessante, é o SimViral. Este blog traz as novidades do marketing viral que hoje em dia vem ganhando cada vez mais espaço na internet, principalmente com o auxílio do youtube e das redes sociais em geral. O SimViral mostra as campanhas virais mais eficazes, que conseguiram divulgação através do “boca-a-boca”, sendo que estas, geralmente, são vídeos postados no youtube que interessam tanto ao receptor que, automaticamente, ele passa adiante promovendo a divulgação do vídeo. É claro que não são todas as ações de marketing viral que dão certo. Talvez aquilo que pareça uma idéia genial para o próprio criador não agrade ao receptor. É uma questão de estudar mais o público que pretende atingir com a ação e contar com um pouco da sorte também. Acho o SimViral um blog muito curioso, pois ele consegue selecionar vídeos muito criativos que conseguem agradar aos internautas e que os motiva a espalharem o conteúdo para amigos, conhecidos e familiares até que isto tome grandes proporções.

http://www.simviral.com/

O Blog de Guerrilha também é outro que eu acho bastante informativo para os que se interessam pela a área de publicidade. Ele mostra diversas ações do marketing de guerrilha que utiliza de maneiras não convencionais para executar suas atividades de marketing com baixos orçamentos. Nele, encontramos diversas ações interessantes que são capazes de nos mostrar que, hoje em dia, ser criativo está longe de apenas fazer um anúncio bom que seja lembrado por todos. É preciso sempre inovar, elaborando ações que o próprio consumidor possa interagir já que, nos dias de hoje, o receptor deixou de ser apenas uma pessoa contemplativa, ele tem necessidade de participar da mensagem para que esta não se torne monótona.

http://www.blogdeguerrilha.com.br/

Acho que vale a pena conferir todos os blogs aqui citados para poder observar quais as novas tendências no campo da publicidade, que sempre precisa inovar e trazer coisas novas para entreter seus receptores que, atualmente, precisam de uma novidade para serem realmente atraídos pela mensagem.

Estes dias, li uma reportagem no jornal Estadão sobre os custos para fazer uma campanha política. Confesso que fiquei um pouco assustada com a quantidade de dinheiro que é envolvida no processo.

Nas últimas eleições, uma campanha para prefeito custou cerca de 14 dólares por voto e, para vereador, 8 dólares por voto, considerando que a campanha estava partindo do zero, sem nenhuma estrutura partidária.

Tomando como base esta lógica, podemos supor que o prefeito reeleito, Gilberto Kassab, gastou o equivalente R$ 116,6 milhões e Marta Suplicy o equivalente a R$ 75,5 milhões com base nos votos que cada um recebeu. Mas claro que esta é só uma suposição, pois têm diversos fatores que estão relacionados diretamente com a diminuição dos gastos para fazer uma campanha como, por exemplo, o diretório do partido, a estrutura partidária e os voluntários que divulgam o candidato por vontade própria.

Parando para analisar, as campanhas políticas são realmente bastante complexas, e é claro que algo assim não sairia barato mesmo. Os pontos fundamentais para desenvolver uma campanha são: pesquisas quantitativas e qualitativas, assim como são feitas na elaboração da maioria das propagandas; a construção do discurso político que envolve as propostas e promessas que serão feitas pelo candidato, baseadas, inclusive, nas pesquisas previamente realizadas; desenvolvimento do plano de comunicação com a utilização de diversas mídias, sendo que a tendência é fazer algo inovador; articulação com a sociedade organizada como, por exemplo, ONGs; e, finalmente, a mobilização das massas através de carreatas, comícios e caminhadas.

A verdade é que, para conseguir passar por todas estas etapas, muito dinheiro tem que ser investido, não tem saída. Por mais que haja a tentativa de economizar ao máximo, a campanha mais barata ainda vai ser cara, exceto se for uma campanha de baixíssima visibilidade, porém, esta não vai fornecer ao candidato nenhuma chance de vitória.

A única saída que poderia haver neste caso, como já havia dito em outros posts, seria a padronização das campanhas políticas, principalmente na televisão, sem que precisem serem feitas grandes produções para conseguir chamar a atenção do eleitor. Desta maneira, todos os candidatos estariam em um mesmo patamar, sem maior ou menor posição de destaque, os partidos gastariam menos em suas campanhas e os eleitores poderiam votar mais pelas propostas, deixando de lado o voto pela beleza da propaganda.

Acho um absurdo o custo destas campanhas que são pagas, na maioria dos casos, com o dinheiro acumulado tirado do bolso de todos nós. Este dinheiro deveria ser melhor aproveitado depois da eleição, na concretização de projetos e propostas para melhorar nossa cidade, nosso estado e nosso país, e não antes da eleição com uma campanha passageira que pode influenciar na vitória do candidato, beneficiando apenas ele e seu partido, um pequeno grupo de pessoas que, em relação a maior parte da população, são as que menos precisam destes benefícios.

Mais uma vez, o poder e a riqueza falam mais alto!

Blogagem Coletiva

Novembro 13, 2008

Nestes quase quatro meses que escrevo neste blog, sobre assuntos relacionados com comunicação na política e tecnologia, nunca tinha ouvido falar da expressão “blogagem coletiva”. Procurando me informar sobre o assunto, pesquisei na internet e descobri sua simples definição.

Blogagem coletiva acontece quando vários blogueiros, e às vezes simpatizantes, resolvem escrever em seus respectivos blogs sobre um mesmo assunto durante um período previamente determinado. Apenas o tema é o mesmo, cada um dos blogueiros pode ter a liberdade para escrever o que quiser e colocar seu ponto de vista sobre o assunto.

Depois de ter feito seu post, o blogueiro pode deixar no blog do idealizador da blogagem coletiva da qual está participando um comentário com um link que dê acesso ao seu post. Assim, os internautas terão a oportunidade de ler diversos conteúdos sobre um único tema, expandindo seu repertório sobre o assunto.

A blogagem coletiva foi utilizada recentemente como um meio de divulgação para a campanha “Outubro Rosa”, que chegou no Brasil apenas este ano, apesar de já existir nos Estados Unidos há dez anos. O objetivo da campanha é conscientizar as mulheres sobre a importância de fazer regularmente a mamografia para conseguir detectar precocemente o câncer de mama.

A campanha, durante o mês de outubro, além de ter contado com uma iluminação rosa nos principais monumentos do país e com um carro batizado de “Rosamóvel”, teve a blogagem coletiva como um elemento essencial para a divulgação da campanha.

Vários blogueiros abraçaram a causa e, além de promoverem o “Outubro Rosa”, alguns também emprestaram um pouco de suas experiências reais com relação ao câncer de mama. Uns escreveram histórias próprias, outros escreveram sobre histórias de familiares ou conhecidos e outros ainda escrevem sobre histórias de pessoas que eles nem conhecem. Desta maneira, os blogs conseguiram passar para os internautas uma idéia real da gravidade da doença e a importância de fazer os exames de prevenção.

A blogagem coletiva com certeza é um meio muito eficiente para a divulgação de temas de extrema relevância para a população, já que cada um pode conhecer mais sobre determinado assunto e analisar o ponto de vista de pessoas diferentes sobre o mesmo tema.

A blogagem coletiva deveria ser usada, principalmente, para mobilizar as pessoas em torno de uma boa causa, como no caso do “Outubro Rosa”. Talvez esta simples ação pudesse melhorar um pouco a sociedade e seus problemas.

Nesta semana, os meios de comunicação pareciam ter como assunto principal a vitória de Barack Obama nas eleições dos EUA. Também, não é para menos, já que o país é um dos mais influenciadores do globo.

Mas o que eu também pude observar durante todo o período de campanha é que os meios de comunicação foram fundamentais para que Obama conseguisse se tornar o novo presidente dos Estados Unidos, principalmente, como ferramenta para despertar o interesse dos jovens.

Acho que deu para perceber que, durante todo o tempo, a mídia estava do lado de Obama, instigando os espectadores ao tentar refletir sobre o que seria dos EUA e do mundo com um homem negro assumindo a presidência de uma superpotência, o que nunca tinha acontecido até então na trajetória política do país. Claro que, diante de tamanha curiosidade, os eleitores quiseram pagar para ver votando em Obama, fugindo da estrutura política mais convencional do candidato McCain, tentando dar oportunidade para algo novo e inédito.

É claro que com esta idéia de fugir dos padrões, que foi muito divulgada por diversas mídias, os jovens foram atraídos a votar em Obama, já que estes, mais do que ninguém, têm vontade de mudanças, de novas propostas e desafios.

Foi focando também nestes jovens que o candidato Barack Obama estruturou sua campanha política, já que fez uso intenso da internet, tornando esta um grande instrumento para arrecadar votos dos jovens. Todos sabem do espaço que a internet ocupa no dia-a-dia dos jovens e, geralmente, tudo o que está presente nela, atrai, de alguma forma, a atenção do internauta. Como Obama conseguiu explorar bem as ferramentas virtuais que poderiam atrair o engajamento de jovens a seu favor, este público acabou fazendo toda a diferença para que o candidato saísse vitorioso.

Este é apenas mais um exemplo de como os meios de comunicação são extremamente influenciadores nas nossas opiniões, principalmente os meios virtuais, tão explorados nos dias de hoje. Só espero que tamanha influência não esteja levando-nos a tomar decisões equivocadas.